Os Camelos

Segundo Friedrich Nietzsche, a vida do ser humano pode ser dividida em três sucessivas metamorfoses (ou estados) do espírito: Camelo, Leão e Criança.
Todo o ser humano que queira evoluir, para o fazer, tem que assimilar o passado. Só assimilando o passado se conseguirá libertar do mesmo e evoluir. Contudo, não se confunda o “assimilar” com “memorizar” o passado. Memorizar é aquilo que os animais fazem e como todos sabemos, não evoluem – não andam verticalmente, não lhes crescem as mãos, não se desenvolvem psicologicamente... Ok, também conheço animais que são mais evoluídos do que certos seres humanos, mas isso fica para outra vez. A lição a reter aqui é que só o ser humano tem a capacidade de acumular e reter as aprendizagens do passado e, com esse conhecimento, evoluir. A isto dá-se o nome de assimilação.

O que o Camelo faz é memorizar, obedecer, dizer “sim”. O Camelo tem medo, vive muito do passado e encontra-se num estado de pré-ego. A obediência e as crenças são as características desse estado, de Camelo. Ou seja, a mente ainda está a crescer, mas encontra-se incompleta. O Camelo é dependente, inconsciente e incapaz de decidir. Claro que a dependência não é ser dependente dos pais, ou da mulher, ou do marido; é uma dependência psicológica, da sociedade, das suas regras e crenças, que lhe são enfiadas pela goela abaixo – e ele engole com especial prazer. Já a “incapacidade de decidir” facilmente se explica porque, se nada se questiona, se se diz “sim” a tudo, o que é que há para decidir?! Quando eu também digo “incapaz de decidir” quero dizer decidir em consciência. Se se é inconsciente como é que se poderá decidir em consciência? Espero que entendam isto.

O Camelo tem uma (inconsciente) baixa auto-estima, pois acha que todos são mais importantes do que ele, o outro é sempre mais importante: o professor é mais importante, o doutor é mais importante, o padre é mais importante, os pais são mais importantes, etc. Logo, o Camelo deixa sempre as decisões nas mãos dos outros, aqueles que são importantes. Dá-se, assim, uma total desresponsabilização por parte do indivíduo, e é por isso que nunca ouvimos um Camelo a responsabilizar-se por nada, atribuindo sempre a culpa de tudo a terceiros. Ou seja, todos os males que os afligem, ora são “culpa” do destino, ora de Deus, ora de qualquer outra pessoa que não eles. Isto é ser um autêntico Camelo inconsciente.

  
Estado de "Leão"
O estado de Leão é caracterizado pela revolta – contra o camelo e os seus medos -, desmistificando todas aquelas afirmações do “tu não podes” ou “tu não consegues”, afirmações essas que a sociedade nos ensinou a acreditar. Este estado é o oposto do de Camelo - aqui já existe o ego. O ego é colocado à frente de tudo. O Leão não tem medo, é reactivo, enfrenta tudo e todos e desafia a própria autoridade. Chega a não ter respeito por nada. Tudo isso, porque julga ter descoberto a sua luz interior e os valores que considera serem os autênticos. Os Camelos não gostam de estar na presença de Leões, têm medo. O desconhecido assusta qualquer Camelo. O Leão já assimilou parte do seu passado (não o assimilou totalmente porque ainda existem ressentimentos, mágoas e situações não resolvidas), sendo que vive centrado no futuro. Portanto, quando se é Leão, a sombra do Camelo ainda nos persegue (sendo esta limitação aquilo que nos impede de passar ao estado seguinte). Só se poderá considerar livre aquele que não depende ou está preso no passado.


Estado de “Criança”
A passagem de Camelo para Leão ocorre porque existiu uma evolução no próprio indivíduo – foi por vontade própria -, sem interferência da sociedade. A passagem de Leão para criança já necessita de algo mais drástico e ainda mais evoluído, necessita que se sofra uma revolução interna. O estado de criança é o pós-ego, é a sabedoria, é o viver no presente. Osho acredita que essa revolução interna só pode existir com a ajuda de um mestre, um Buda ou um Cristo, por exemplo. Osho questiona como é que uma tribo primitiva pode sonhar com um carro se nunca o viu? Segundo ele, ninguém pode sonhar com o que nunca viu, só quando já se viu alguma coisa, “um Cristo, um Buda ou Bodhidharma”. Diz Osho que “estas pessoas têm uma aparência exactamente igual à sua, no entanto, não são como você. Têm o mesmo corpo, a mesma estrutura e, no entanto, qualquer coisa do desconhecido penetrou o seu ser. O transcendente veio ter com eles, o transcendente é mesmo muito tangível. Se se aproximar deles com simpatia e afecto, será capaz de ter alguns vislumbres do seu céu interior. E uma vez que tenha visto esse seu interior, vai começar a sonhar com ele”. Surgirá um desejo vindo de dentro da pessoa em como é que se poderá tornar igual, como é que se poderá atingir essa evolução… É essa a “infecção” que passa do mestre para o discípulo, segundo Osho.

Osho explica de forma muito sucinta os 3 estados: O Camelo é teísta (acredita na existência de um Deus), o Leão é ateu e a Criança é religiosa. Não, ela não acredita na existência das religiões que se inventaram, a sua religião é a simplicidade, o amor e a inocência. “A Criança é simplesmente… inefável, indefinível, um mistério, uma maravilha. (…) Buda chama a isto Nirvana, Jesus chama-lhe Reino dos Céus. Você pode-lhe chamar o que quiser”.

 Onde me quero focar é mesmo nos camelos, desses percebo eu, até porque sou doutorado na “camelice”.

A sociedade é constituída na sua maioria por Camelos. O Camelo vive na ilusão do “acreditar”. É bom acreditar em algo, e a fé pode mover montanhas, mas não faz com que o indivíduo evolua. Portanto, não é por se ter fé que se deixa de ser Camelo. A sociedade afasta os Leões, essas pessoas incomodam, criam preocupações e tiram-lhes o sono. Os Camelos não gostam que se questione, não gostam da imaginação e da ousadia dos Leões, não gostam que se coloque em causa as suas crenças – mesmo que lhes seja provado que as mesmas estão erradas. Os Camelos são contra tudo o que é novo (eu conheço imensos Camelos). Todos começamos por ser Camelos (graças à sociedade), poucos evoluem para Leões (graças a si próprios) e muito poucos fazem a sua revolução interna e se tornam “crianças” novamente.


Haverá ainda alguma dúvida de quem são os Camelos? 

Se ainda não ficou bem claro quem são, eu dou alguns exemplos. Os Camelos são aqueles que seguem as modas só porque está na moda. São aqueles que vão rezar para as igrejas ou mesquitas, são aqueles que idolatram e perseguem os partidos políticos e os seus representantes, os actores/actrizes, os clubes de futebol e os seus jogadores, os cantores, etc. Camelos são aqueles que são nacionalistas, morrem por uma colectividade que nada representa, ou matam outras pessoas pela mesma razão. Camelos são aqueles que acreditam que ser inteligente é memorizar montes de matérias… E ainda lhes atribuem uma nota por terem memorizado bem (ou mal, consoante o caso). Camelos são aqueles que julgam ser superiores às outras pessoas só porque têm hotéis, empresas, casas, carros e dinheiro – camelos também são todos aqueles que acreditam nisso (isto é, aqueles que acreditam que essas pessoas são superiores). Camelos são aqueles que acreditam em tudo o que vêem ou ouvem na televisão. Camelos são aqueles que nos dizem que a felicidade está em ser-se doutor, engenheiro, ou em ter dinheiro - Camelos são também os que acreditam nisso. Enfim, no estado de Camelo, todos são papagaios. Não se questiona nada, apenas se repete, apenas se acredita. Se entrarmos, por exemplo, numa igreja, ou local semelhante, apenas encontraremos grandes reuniões de camelos; não se encontrará nenhum ser humano, no verdadeiro sentido do termo… Agora, chega. Já estou farto de camelos.


PS: Não quero ofender os verdadeiros e nobres animais.

As mulheres são as melhores

 
Pois é, este post poderia resumir-se deste modo: os homens são "doentes" e desequilibrados. E pronto, estava feito, e quer-me parecer que a maioria das mulheres concordaria comigo. Mas, quer-me também parecer que mereço explicar porque é que assim o entendo.

Para reforçar o que digo bastava lermos os jornais e contar o número de homens que matam (ou tentam matar) as suas parceiras. Tudo, apenas e só, porque no seu entender as mulheres são propriedade sua.  Aqui entra a parte "doente" dos homens (claro que não são TODOS, apenas a maioria). Os homens apenas utilizam o seu instinto animal, aquele instinto que conhecemos do tempo da pré-história. No fundo, resume-se a isto: grande parte dos homens ainda está atrasado no tempo. A única diferença entre os homens pré-históricos e os da actualidade é que os homens de hoje utilizam roupa (em vez de utilizarem peles de animais), conduzem carros (em vez de andar a pé), têm casas (em vez de dormirem em cavernas ou ao relento - tirando os mendigos...) e têm acesso a armas muito mais poderosas do que um simples pau... Ah! E adicionaram algumas palavras mais ao seu vocabulário... De resto, todos os instintos animais de sobrevivência daqueles tempos, o desrespeito pela mulher e o acharem que ela só existe para os satisfazer, bem como a conquista de poder recorrendo ao uso da violência, mantêm-se. Ou seja, no essencial, o homem não sofreu alterações nenhumas no que à utilização da mente diz respeito. Por outro lado, as mulheres evoluíram e tornaram-se mais conscientes de si mesmas.

Se a mulher deseja alguma coisa, a mulher pensa, utilizando o cérebro e, se for caso disso, dialoga, nunca precisando de recorrer à violência. As mulheres sabem expressar-se, e os homens não... Eles não têm tempo para isso, e então batem. No entender deles, é mais fácil e muito mais rápido.

Certamente que algumas pessoas estão a pensar "Então e os grandes inventores não eram homens? O Edison, o Bell?...", etc. Todos esses grandes homens, inventores, filósofos e grandes pensadores, existiram e existem, assim como também existem grandes homens que não são nada daquilo atrás referido e que são grandes homens porque apenas são civilizados. O que estes grandes homens conseguiram fazer foi, simplesmente, dominar o seu instinto animal, os seus impulsos, não agindo por instinto, e apenas utilizando a ferramenta que a mãe natureza concede aos humanos: a cabeça... de cima...


A MINHA TEORIA

A teoria que defendo é que as mulheres só não inventaram a televisão, o telefone e todas as outras coisas, por um simples  motivo: os homens não as deixaram. Tenho a certeza quase absoluta que quem inventou a luz eléctrica, apenas o fez para poder ver melhor a mulher à noite, quem inventou o telefone, só o fez porque tencionava telefonar a alguma mulher, e quem inventou a televisão, só o fez  porque desejava vê-las através da mesma...


    O SOFRIMENTO DA MULHER 
AO LONGO DOS TEMPOS

Desde o inicio dos tempos que as mulheres foram vítimas dos homens, ainda hoje o são. Foram desrespeitadas, subjugadas e maltratadas. Tudo isso só aconteceu (e acontece) porque os homens sempre precisaram de mulheres para se satisfazerem e, como são mais fortes, à bruta era garantido que as tinham. Os homens têm medo de duas coisas: da realidade e das mulheres.

Os homens têm medo da realidade porque, algures num tempo passado, já tiveram sentimentos e não aguentaram a rejeição. Para que isso não lhes sucedesse novamente, o homem adaptou-se e aboliu o sentimento, ficando só a violência e o que ele deseja, nunca fazendo uso do cérebro. Os homens têm medo das mulheres, por isso as fazem sentir-se inferiores, afastam-nas das decisões importantes, não lhes dando qualquer tipo de cargo com importância, e recorrendo para isso a dois tipos de violência: a física e (ou) a psicológica. Para a maioria, a mulher só existe para os servir de uma de duas formas (ou de ambas): à mesa e na cama. 

EMANCIPAÇÃO DA MULHER

A verdadeira emancipação da mulher ainda não ocorreu. A única emancipação que ocorreu foi enganadora, foi apenas mais uma demonstração de força por parte dos homens... Uma forma de enganar as mulheres dando-lhes a falsa ideia de que elas detêm poder e liberdade. Infelizmente, não é nada disso que acontece e os exemplos são mais que muitos... Basta estarmos atentos à justiça e à forma como as violações são encaradas e condenadas...


O QUE DIZER DAS MULHERES QUE ESTÃO NO PODER E DAQUELAS QUE SÃO VIOLENTAS?
  
O que há a dizer sobre isso é que todas estas mulheres são cópias dos homens, são mulhereshomens. Veja-se o exemplo da MERKEL... Aquilo é um homem: é dura como um homem, tem ausência de sentimentos como um homem e... parece um homem. Tem tudo, só lhe deve faltar a pilinha. Se repararmos nas mulheres que são violentas, facilmente se nota que tentam marcar uma posição pela força, tal como os homens o fazem. Estas mulheres são claramente masculinas, não são mulheres no verdadeiro sentido do termo.


A VIOLÊNCIA NO MUNDO

    90 e tal % dos crimes que ocorrem é protagonizado por homens, desde roubos, homicídios, etc. Também existem mulheres que roubam, mas (quase) sempre que as há é porque também existem homens envolvidos nisso. Se vivemos num mundo inseguro e violento, a culpa disso tudo é dos homens. Os homens são violentos. A título de curiosidade, alguém se lembra de alguma vez alguma mulher ter querido conquistar o mundo?... Se as mulheres dominassem o mundo, teríamos mais paz, amor e segurança, tudo seria mais organizado, limpo e, quase de certeza, andaria tudo mais perfumado ... Ok, também existiriam mais roupas cor-de-rosa e outras panisguices, seria um pequeno preço a pagar.


REACÇÃO DOS HOMENS 
QUANDO VÊEM UMA MULHER
 
Já repararam no que acontece quando um homem vê uma mulher na rua? Isso mesmo, na melhor das hipóteses ouvem-se uma espécie de sons semelhantes aos grunhidos, uns piropos mal educados ou frases como "És boa!". Minhas caras senhoras, eu sei que não é muito confortável ouvir este tipo de abordagens, mas acreditem que é um dos poucos momentos em que o homem tenta utilizar o cérebro... Mas, lá está, o homem não o consegue fazer, e o que prevalece é o seu instinto animal, que todos os animais utilizam. Os animais quando querem acasalar emitem sons e pavoneiam-se perante a fêmea, somente para lhes chamar a atenção. Um homem do tipo atrás referido é um homem triste, sem ideias, que apenas quer acasalar, guiando-se, pois, pelo instinto.

Um homem que vê uma mulher que lhe enche as medidas - neste cenário, enquadra-se qualquer tipo de bípede que mais se assemelhe com uma mulher (sim, qualquer bípede que se assemelhe a uma mulher) -, entende que aquela mulher tem que acasalar com ele... Muito perto desta ideia, existe uma linha que separa os homens "doentes" dos outros. Um homem "doente" quer e tem que ter, à força. Um homem normal, simplesmente deseja a mulher, mas consegue respeitar o facto de ela nem sequer parecer saber que ele existe.


DICA PARA AS MULHERES

O homem, como já referi e reforcei anteriormente, utiliza basicamente o seu instinto animal, agindo por impulso, sem pensar de forma civilizada... O homem que utiliza o seu instinto animal deseja, e simplesmente tem que suprir esse capricho, seja lá de que maneira for. O facto dos homens sentirem mais necessidades, entenda-se, sexuais, acontece muito por culpa da sua biologia. As mulheres podem não entender porque são diferentes. Para uma mulher, ser fiel é mais fácil (claro que também existem muitas que são infiéis). Não é que a mulher não se possa sentir atraída por outro homem, apenas a sua forma de lidar com essa situação é diferente. Numa situação em que a mulher comprometida se sinta atraída (fisicamente) por outro homem, ela utilizará o cérebro e lembrar-se-á do seu sentimento pelo seu parceiro... A maioria dos homens não faz isso. Simplesmente, não conseguem desligar o botão do seu instinto animal, de caça, e têm que comer a presa. Se, porventura, houver algum tipo de sentimento pela sua parceira, esse virá depois...


Portanto, mulheres, fica aqui uma dica: preservem um homem fiel, elogiem-no, façam-no sentir-se como um rei. Vocês nem imaginam o difícil que é, para um homem, ser fiel. Um homem fiel, luta quase todos os dias para não cair em tentação. Esse homem é um herói e em sua homenagem deveriam-lhe construir uma estátua ao pé de casa, ou dentro de casa, mesmo... Ah! Não se esqueçam de elogiar a sua virilidade, fica sempre bem. 

Se não sabem ficam a saber que o método que os homens utilizam para saber se a mulher gosta deles ou não, é pela frequência das relações sexuais. Sim, quanto mais relações sexuais o homem tiver, mais se sentirá amado, assim como não terá tanta necessidade de recorrer a serviços "externos". Não me interpretem mal, a mulher não tem, nem deve fazer frete algum no que às relações sexuais diz respeito, há que "negociar". Uma relação é também uma forma de negociação. Eu entendo que a nossa forma de nos sentirmos amados, para vocês, é estúpida, talvez até não vos faça sentido... Mas, para nós também não nos faz sentido nenhum termos determinadas "vontades" e não as podermos satisfazer com quem amamos. Também não faz sentido nenhum para nós, perder-se o desejo sexual só porque se perdeu 5€ no supermercado...


 A MENTE DE UM HOMEM
 
Posso-vos confidenciar que as conversas que  a maioria dos homens que conheço têm comigo quando o assunto toca a casais se relaciona com a ausência de relações sexuais na relação. Aqui entra a parte esquizofrénica do homem. Um homem que tenha pouco sexo numa relação dá azo a que se comecem a fazer filmes na sua mente depravada... Invariavelmente, começa-se a assumir que as mulheres têm um amante ou simplesmente já não gostam deles. Isto é verídico. Acho que todas as mulheres que se dêem ao trabalho de ler este texto devem levar isto tudo em consideração. A mente do homem é um pouco doente e distorcida. À esmagadora maioria dos homens com quem falo destes temas, tento fazer-lhes perceber que a mente feminina não é como a nossa, as mulheres pensam em milhares de coisas diferentes, tipo: no cabeleireiro, nas compras, nas refeições, nos filhos, nos empregos, nos maridos/namorados, nas roupas que querem vestir, na roupa que querem comprar, na decoração da casa, nas fofoquices, etc, etc... Talvez devido a esse facto, e de passarem o dia todo com o cérebro "on", se sintam mais desgastadas ao final do dia e não estejam muito receptivas no que a sexo diz respeito.

Façamos então um resumo/conclusão aqui desta última parte... Os homens sentem-se amados se houver montes de sexo (ou apenas com mais frequência), e as mulheres sentem-se amadas pelo carinho, afecto e respeito demonstrados pelo seu parceiro... No fundo, isto é tudo bastante simples. Como é que se complica?!


OS FILMES NA CABEÇA DOS HOMENS 
 
Vamos lá, então, falar nos filmes que existem na cabeça do homem. Como tinha dito anteriormente, os homens que falam comigo sobre as suas relações têm um denominador comum:  falta de sexo. 

Pegue-se, então, na falta de sexo e multiplique-se pelos elevados níveis de testosterona,  multiplique-se depois esse resultado pelo descontentamento e desconfiança (que é o mesmo que dizer insegurança), e qual é o resultado? Resposta: alguém tem de levar na cabeça! (a coisa tem de ceder em algum lado...) Pois é, às vezes, o resultado é este: ou a mulher leva na cabeça, sem ter culpa de nada, ou alguém leva por ela, filhos, amigos, familiares... 

Os homens que falam comigo sobre esse tema, e que estão insatisfeitos, demonstram tristeza, alguma raiva e a ideia de que as mulheres são todas iguais. O certo é que não são, são esquisitas e têm muitas paneleirices que muitas das vezes não se entende, sim, têm, mas não são elas que são todas iguais, somos nós que pensamos mal. A culpa é nossa. Os filmes que estes homens arranjam na sua cabeça são fantásticos, nenhum filme de Hollywood poderia chegar aos calcanhares de tamanha ficção. Até dos telefonemas dos serviços da TMN eles desconfiam. Claro que toda esta energia acumulada pelos homens tem de ser libertada de alguma forma. Não será estranho, então, perceber porque é que os homens andam sempre em guerra... Alguém tem de pagar. Os homens que desistem das mulheres, ou são gays ou então querem conquistar o mundo à força, seja através da política, da guerra ou de qualquer outra forma... Há homens que colocam explosivos no corpo e se explodem para matar outras pessoas, acreditando que após este seu acto irão ter à sua espera, noutro mundo, um batalhão de virgens para os servir. Outros homens há que, por causa da crise, matam a família toda, outros há que por terem uma doença terminal, decidem terminar com a vida das suas esposas e filhos...Apenas um homem é capaz de tais ideias (e actos)...


OS HOMENS TAMBÉM TÊM VIRTUDES
Os homens também têm imensas qualidades. Que seria das mulheres sem os homens? Quem é que lhes carregaria as compras? Quem é que lhes construiria as casas e faria as reparações domésticas? Quem despejaria o lixo?

Obviamente, tudo isto é uma brincadeirinha porque, como é óbvio, os homens não têm quaisquer virtudes... Agora é que é a sério. Se os homens canalizassem toda a energia que descarregam sob a  forma de violência (muitas das vezes, direccionada para a mulher) para coisas positivas, todo o mundo teria a ganhar com isso. Os homens são naturalmente dotados de grande paixão, determinação, confiança, capacidade de acção e iniciativa, assim como espírito prático. Necessitam apenas de aprender a utilizar tais qualidades para boas causas (ao invés de as utilizarem para fins menos dignos, como perseguirem as suas "presas", ou seja, as mulheres que desejam, neste caso). Desta forma, contribuiriam de um modo imensamente útil para a criação de um mundo melhor.    


ÚLTIMA TEORIA

Vivemos num mundo violento porque são os homens que o governam, e esses homens, além de serem animais, são insatisfeitos e não conseguem ter nada seu que não seja pelo uso da força. Somos governados por homens com instintos animais, insatisfeitos e sem sentimentos. Temos muito que aprender com as mulheres.


CONCLUSÃO

Este mundo só se tornará num melhor sítio para viver no dia em que os homens comecem a adoptar certas características mais femininas, tais como a empatia, a sensibilidade, a compaixão, o respeito, o desejo de harmonia, e esqueçam as lutas de poder (que só fazem sentido no reino animal, onde o poder do raciocínio não impera), bem como a ideia de que as mulheres são meros objectos e uma simples propriedade sua. As mulheres devem ser respeitadas, bem tratadas e acarinhadas, pois possuem muitas qualidades e grandes potencialidades, essenciais a uma vida em comunhão com os outros.

Este tipo de discussões nem deveria existir, pois homem é homem e mulher é mulher, possuindo ambos qualidades e defeitos. Cada um tem apenas de aprender a desenvolver aquilo que tem de melhor, e a eliminar o que tem de pior, sendo para tal indispensável que aprendam um com o outro.
DEDICATÓRIA

A maior parte dos valores que possuo derivam da educação que tive com forte influência do sexo feminino (mãe, avó, irmãs, colegas, amigas e muitas outras mulheres que conheci). Este texto é dedicado a  todas elas e a todas as verdadeiras mulheres que existem neste mundo. Vocês são especiais, vocês são as melhores, vocês são o sexo forte. Por último, gostaria de mencionar que tenho como exemplo a seguir 1 homem e 3 mulheres: o meu cunhado, a minha mãe, a minha sogra (sim, é verdade) e a minha namorada - que é simplesmente a mulher mais maravilhosa que já conheci.

 Lendo isto até parece que estou a dar graxa...

Porque é que eu nunca votei?

 Santos Pereira: Política da "ajudinha"

“O Estado tem de ajudar, mas não da maneira que tem ajudado, que é a política do subsídio, do apoio, da ajudinha”, disse ontem o ministro da Economia.
(In Público)

    É preciso ter-se lata para se dizer uma coisa destas... Nem a porcaria do ordenado mínimo dá para o gasto, quanto mais os subsídios.

    O que o povo quer é mais justiça na distribuição dos dinheiros. É preciso ter lata! Um tipo olha para o jornal e vê um só indivíduo a receber milhares de €uros de reforma só porque trabalhou num banco, enquanto o típico tuga, escravo e trabalhador, deixa sangue, suor e lágrimas na sua profissão e recebe de reforma entre 200€ e 400€, se tanto.. É preciso ter lata! Os responsáveis pelos bancos foram quem nos levou a este buraco em que nos encontramos, porque foram incompetentes... E quem é que paga as suas asneiras? Eles?! Errado, nós, os que não temos culpa! E o que  é que acontece aos indivíduos que nos colocaram nesta situação? Recebem reformas milionárias... É preciso ter lata!

    Vem este anormaleco, com óculos do sec. XIX, dizer-nos que o Estado nos apoia com "subsídios" e "ajudinhas"?! Como? Onde é que está a minha ajudinha?! É que a mim nunca me tocou nada! Será que o aumento dos preços (da gasolina, água, luz, alimentação, IVA, etc...) é a "ajudinha" que este "pitosga" diz que o Estado nos tem dado? É que não me recordo de qualquer medida diferente destas atrás citadas, se realmente é essa a ajudinha que o Estado nos tem proporcionado... Epá, então metam lá a ajudinha no local do vosso corpo onde o sol não bate,que eu não a quero, eu sozinho já me aleijo...

     As únicas "ajudinhas" que deveriam cessar de imediato são as ajudinhas que são feitas a todos os políticos, famílias e amigos... Essas é que podiam terminar já - e já terminavam muito tarde.

    Detesto esta gente da política, detesto mesmo! Acho que os odeio até - eu que só odiava violadores, assassinos e pedófilos. Nós não precisamos desta gente que só lá se está a "servir" do que quer, inclusivamente de nós. Detesto todos os partidos que existem. 
    Uma pessoa, quando se candidata a um cargo no Governo, não devia representar nenhum partido, devia representar-se a ela mesma através das suas ideias, não sendo um escravo que tem de ser filiado num grupo de bandidos. Eu não quero votar em nenhum partido, quero votar numa pessoa com ideias claras, concisas, objectivas e credíveis. Quero votar numa pessoa com bons princípios, com vontade de querer ajudar quem precisa. Quero votar numa pessoa que nutra sentimentos pelos outros, e não pelo seu dinheiro. Enquanto essa pessoa não aparecer, eu não voto, nem votarei, nunca.

    As cores partidárias só servem para dividir todos aqueles que apenas simpatizam com eles, servem para criar lobbies e corrupção... Veja-se a ligação que todos os que estão (ou estiveram) na Assembleia da República têm com com as grandes empresas... Querem-me dizer a mim que é tudo uma coincidência?!

    Os partidos políticos são tão importantes e fazem tanta falta como uma viola num enterro...


                                                          Não voto

   Quando me vêm com a história do "ah e tal, não votas, não participas nas eleições... também não podes dar palpites" só me dá votade de lhes urinar para cima. Não tenho voto na matéria?! Então não pago impostos como todos os que votam?! Por essa ordem de ideias, eu também deveria confrontar todos aqueles que participam nas eleições, por elegerem os imbecis que sempre nos têm governado, queixando-me das suas más escolhas, pedindo até uma indemnização pelos danos que me provocaram as suas políticas.

   Não, não voto. A liberdade que nos foi concedida com o 25 Abril implica a liberdade de escolha, o livre-arbítrio, e é o que tenho feito. Eu não voto porque entendo que votar é algo muito sério, uma grande responsabilidade, não a palhaçada que existe desde a data da implantação da República Portuguesa, em que nos prometem mil e uma coisas, e no fim nem uma promessa é cumprida... Não devemos votar só porque sim. O voto é tão sério como sérias deveriam ser as pessoas em quem se vota. Desde que sou gente que constato que isso não ocorre. O voto é tão sério que se deveria punir exemplarmente as pessoas que prometem e depois não cumprem... Que me lembre, também nunca aconteceu.

    Já chegaram ao ponto de me chamar irresponsável por não exercer o meu direito de voto - que é um direito, e não uma obrigação, veja-se... Pois irresponsáveis é o que eu chamo a todos aqueles que votam sempre nos mesmos, naqueles que sempre deram provas da sua incompetência. Quanto a mim, tão falso é o político falso, como quem vota nele. Portanto, só temos o que merecemos, não será?!

   Dado o panorama actual (e de sempre) da nossa política, se tivesse de votar seria, com certeza, uma daquelas pessoas que fazem um quadradinho extra no boletim de voto, permitindo-me, assim, votar no Pato Donald, por exemplo. Este tipo de votos faz-me muito mais sentido, pois adequa-se totalmente ao cenário em que vivemos, ou seja, cenário da patetice. 

Notícias importantes

"Eusébio assistiu ao Portugal-Espanha pela televisão"
(in Correio da Manhã)

Eu também...

"Eusébio pediu bananas e sumo de laranja"
(in Correio da Manhã)

Adoro estas notícias, são importantes e alteraram a minha vida por completo. Fico feliz pelo Eusébio poder comer e ver televisão e isso ser notícia... Nunca tinha visto ninguém com 70 anos fazê-lo.

O vício da infelicidade - Parte II

Alexandre, o Grande
Alexandre, o Grande foi dos homens mais infelizes que existiu - pelo menos na sua época. Curiosamente, na mesma altura de Alexandre, o Grande, existia aquela que, provavelmente, foi a pessoa que melhor compreendeu o verdadeiro significado de se ser livre e feliz; o seu nome era Diógenes. Entre eles, passou-se uma história interessantíssima que vem narrada no livro "Alegria, a felicidade interior", do autor Osho, a qual passo a partilhar convosco daqui a umas linhas.

Para mim, a pessoa mais feliz que existiu à face da Terra talvez tenha sido Diógenes. E este homem era apenas e só... um mendigo.

Diógenes foi um filósofo, da Grécia antiga, bastante controverso, que decidiu tornar-se mendigo. A sua filosofia consistia no seguinte: a felicidade reside no autodomínio e liberdade. Diógenes desprezava a opinião pública e combatia as instituições e os valores sociais de uma sociedade que ele considerava corrupta (muito actual, não concordam?...).

 Passemos então à situação que ocorreu entre Diógenes e o Imperador Alexandre, o Grande...
Diógenes e os seus amigos
   "Diógenes  era um mendigo. Ele não tinha nada, nem sequer uma taça para pedir esmolas. Até Buda tinha uma taça de esmolas e três vestes! Diógenes andava nu - e sem taça de esmolas. Um dia, ele estava a caminho do rio com a sua taça de esmolas na mão. Tinha sede e calor, queria beber água. Quando chegou mesmo à margem do rio, viu um cão que passou por ele, a correr e a arfar, e se atirou ao rio, nadando e bebendo até ficar satisfeito. Então, Diógenes pensou: "Este cão é mais livre do que eu - ele não precisa de andar com uma taça de esmolas. E se ele consegue passar sem isso, porque não hei-de eu conseguir também? Ela é a única coisa que eu possuo e tenho de estar sempre de olho nela para não ma roubarem. Até chego a acordar uma ou duas vezes à noite para ver se não ma roubaram." Ele atirou a taça de esmolas para o rio, fez uma vénia ao cão e agradeceu-lhe pela grande mensagem que este lhe tinha trazido da parte da existência.
Alexandre, o Grande e Diógenes
      Este homem que não tinha nada, despertou a inveja de Alexandre. O imperador deve ter ficado mesmo infeliz! Ele chegou a confessar a Diógenes: "Se Deus me der outra vida, vou-lhe pedir que não faça de mim Alexandre, mas antes Diógenes." Diógenes riu a bom rir e chamou o cão - eles agora eram grandes amigos, passavam a vida juntos - e disse:

- Ouve só o disparate que este homem está a dizer! Quer ser Diógenes na próxima vida! Porquê na próxima vida? De que serve adiar? Quem sabe o que virá na próxima vida? Até mesmo o dia de amanhã, até o momento seguinte, é incerto, quanto mais a próxima vida! Se queres mesmo ser Diógenes, podes sê-lo aqui e agora. Atira a tua roupa ao rio e esquece a conquista do mundo! Isso não passa de uma estupidez , como tu bem sabes.
   » Admites que és infeliz e que ser Diógenes é um estado melhor, que te deixaria em êxtase. Então, porque não ser Diógenes agora mesmo? Deita-te na margem do rio, aqui onde eu estou a apanhar sol! Há lugar para mais uma pessoa.
   É claro que Alexandre não pôde aceitar o convite. Ele disse:
- Muito obrigado pelo convite; agora não posso, mas na próxima vida...
   E Diógenes perguntou-lhe:
- Onde vais? O que farás, mesmo que conquistes o mundo?
- Então, descansarei - respondeu o imperador.
- Isso parece-me absurdo, porque eu estou a descansar agora mesmo! - respondeu Diógenes.

  Diógenes tinha razão.


   Na realidade, Alexandre, o Grande conquistou todo o Mundo civilizado naquela época mas, sabem o que fez depois de o conquistar? Após ver a vastidão que o seu império alcançava, Alexandre chorou, pois não havia mais mundos para conquistar... Isto diz tudo.

   As pessoas mais infelizes são as que têm sucesso... isto não nos ensinam nas escolas. Se não acreditam, atentem nessas pessoas... Vejam o acumular de stress, medo, desconfiança e de ambição desmesurada. Com toda essa panóplia de emoções, vem a mesquinhez, a inveja e a agressividade.

   Nem a propósito de falar sobre isso... Ainda ontem, aqui no Bairro do Granito, duas senhoras foram atropeladas e em seguida esfaqueadas.Uma delas veio a falecer. Sabem quem foi o autor desse massacre? Foi, nada mais, nada menos do que... o seu irmão. Tudo por causa de partilhas, dinheiros, imóveis, essas coisas todas. Veja-se até que ponto pode chegar o desespero de alguém infeliz que o leva não só a matar, como a fazê-lo aos do seu próprio sangue.

O autor do livro do qual eu retirei a história entre Diógenes e Alexandre, diz que nada fracassa tanto como o sucesso. Para o autor, a felicidade não tem nada que ver com o dinheiro, poder ou prestigio. A felicidade tem que ver com consciência e carácter. Vejo-me na obrigação de concordar com esta ideia.

Realmente... Já viram que se não houvesse ambição, poder, dinheiro, prestígio, também não teríamos a inveja, medo, desconfiança, etc... Certamente não precisaríamos de alguém a liderar-nos, não precisaríamos de forças de segurança, justiça, etc. Apenas seríamos felizes.


Ficar em 1º Lugar numa competição não nos torna felizes

   Enquanto joguei futebol, ganhei imensas vezes, venci torneios, jogos e prémios, mas também houve vezes em que perdi. Quando a minha equipa vencia, a felicidade durava apenas alguns minutos ou escassas horas, mas a frustração de perder, essa durava dias, e por vezes, semanas. E aqui não está em causa saber perder ou ganhar, essa é outra questão; o que está em causa é a tremenda importância que nos ensinam, desde pequeninos, a atribuir às vitórias, fazendo-nos crer que a vitória é significado de felicidade e a derrota infelicidade... Se assim é, quando vencemos não nos deveríamos tornar felizes? Então porque é que isso não ocorre?

    Ainda hoje guardo alguns troféus em casa que me servem, única e exclusivamente, para eu me poder gabar perante o meu sobrinho, e recordar que em tempos os ganhei e que nada ganhei depois de os conquistar.

A sociedade obriga-nos a ser ambiciosos, torna-nos invejosos e infelizes... prende-nos, corrompe-nos, torna-nos violentos e intolerantes... nada mais. Passamos 90% do dia a realizar tarefas que detestamos, que não nos dão prazer. Por que é que fazemos isso, já pensaram?


Somos infelizes porque nos focamos no Passado e no Futuro e não vivemos o Presente

    Se repararmos, a fonte da nossa infelicidade provém da nossa ambição, daquilo que queremos alcançar no futuro, assim como da frustração de sabermos o que fomos ou tivemos no passado. Se nos focássemos simplesmente em viver o presente, seríamos definitivamente mais felizes. Viver o agora sem nos preocuparmos com o que vem a seguir. O que o futuro nos reserva não é controlável, aquilo que também já passou não o é. Então para quê preocuparmo-nos com isso?!

Por exemplo, quem é que já não se preocupou com um exame que vem na semana que vem? Se é na semana que vem que se faz o exame, porquê estarmos já a preocuparmo-nos com isso?

Outro exemplo, se há dois anos tínhamos mais dinheiro do que agora, para quê preocuparmo-nos com o facto de agora não termos tanto como antigamente? Se já tivemos, significa que já não temos!...


O intuito das notícias é o de nos meter medo e tornar-nos pessoas medrosas, preocupadas e mais  facilmente controláveis


Sim, é isso mesmo. As notícias só servem para nos incutir medo e tornar-nos facilmente controláveis( porque eles nos mostram apenas a sua versão da realidade e nós partimos do princípio que isso corresponde à verdade, pelo que não temos saída possível...). Por conseguinte, tornamo-nos mais agressivos e infelizes, e somo levados a acreditar que não temos controlo nenhum sobre as nossas vidas (e, consequentemente, sobre a nossa felicidade).

Vejamos, uma pessoa com medo significa que se tornou dependente, não só do seu medo mas também de algo ou de alguém. Os nossos governantes preferem que as pessoas tenham medo para que assim se preocupem com os seus medos e deixem de se preocupar com o que eles (os governantes) fazem. Veja-se isso como uma distracção, um chamariz para nos desviarem a atenção, mantendo-nos preocupados com aquilo que são os "não problemas". As pessoas angustiosas e com medo acabam por arranjar um escape que lhes colmate esse medo, acabando por se refugiarem no consumismo desmesurado só para se sentirem melhor. Pessoas com medo preparam-se para o pior, trancam portas e janelas e desconfiam de tudo e todos. Assim, os cordeirinhos estão prontos para serem guiados até ao matadouro. A comunicação social é um excelente meio para nos controlar sem que nos apercebamos disso. É exactamente o que os nossos governantes querem. No fundo, eles querem indicar-nos o caminho para a  felicidade deles, dizendo que é para a nossa... E nós acreditamos.

O que se torna também num problema é nós acreditarmos que no mundo só existem pessoas más e violentas, e com isso acabamos mesmo por atrair esse tipo de pessoas. Chama-se a isso a lei da atracção. Nós atraímos aquilo em que acreditamos. Cá está, se nos achamos infelizes, acabamos por nos tornar infelizes.

(No fundo, no fundo, esta é a minha sina... eu só atraio atrasados mentais)
  

O papel da publicidade é tornar-nos infelizes, ambiciosos e invejosos
Eu estou muito bem a ver televisão, até que surge a publicidade... Mostram-nos tudo aquilo que poderíamos ter, ou ser, se tivéssemos dinheiro para comprar determinado produto. Simultaneamente, fazem-nos sentir uns infelizes e insatisfeitos... Depois, mostram-nos as pessoas muito alegres a ostentar o produto que se publicita, como que dizendo, "compra isto e serás feliz!". Todo este esquema da sociedade nos tolda o raciocínio e as ideias, e somos levados a sentirmo-nos infelizes por não poder ter muitas coisas. Será que nos tornaríamos realmente felizes se as tivéssemos?! Esta resposta pode ser respondida por quem compra o objecto desejado ou obtém a posição no emprego que tanto pretendia. Eu já provei a mim próprio que aquilo que pensei que me iria tornar feliz, não o fez. E vocês?

Talvez por tudo isto, e por nos terem tornado viciados na infelicidade, se tenha o hábito de dizer que "a melhor vingança é ser-se feliz". Pois, é exactamente a felicidade que nos é quase impossível de alcançar, e a culpa é só nossa. 

Se conseguisse chegar a alguém, gostaria de passar a mensagem de que tudo o que não é controlado por nós, não deveria interferir na nossa felicidade. A felicidade é uma escolha e todos nós temos a capacidade de poder escolher. Nunca deveríamos permitir que  nos impinjam metas e/ou objectivos com o pretexto de que é isso que nos tornará felizes. A escolha deverá ser sempre nossa.

Termino, recordando Diógenes... Ele acreditava que tínhamos muito que aprender com os animais - especialmente os cães -, e essa é uma grande verdade. Os animais são felizes e nada possuem, a única coisa que querem mesmo é ser felizes.

O vício da infelicidade - Parte I

TU ÉS INFELIZ
 
Começo por dizer que sempre achei que ser feliz não passava por perseguir objectivos... Quem pensa que traçar objectivos e alcançá-los é ser feliz, engana-se... mais à frente explico porquê. Como gosto de "beber" da inteligência de quem realmente sabe, efectuando pesquisa e leituras, estudos, e fazendo-me valer da observação de tudo e de todos aqueles que me rodeiam, cheguei às minhas próprias conclusões - conclusões essas que, como constatei, já outros (poucos) tinham chegado.

Acho interessante as ideias que a maioria das pessoas tem sobre felicidade. Alguns dizem: "Felicidade é ser rico!", "Felicidade é podermos ter tudo o que quisermos!", "Felicidade é ser presidente de uma empresa petrolífera", e etc, por aí fora... A felicidade não é isso, a felicidade é um estado de espírito, isto é, é algo que reside em cada um de nós, não se encontrando dependente de quaisquer circunstâncias exteriores. Muitas pessoas acham que só vão ser felizes quando conseguirem ter uma determinada coisa que ainda não têm ou quando conseguirem ser algo que ainda não são. Tudo isto são objectivos dos quais as pessoas se tornam dependentes, no sentido em que consideram que apenas no momento em que os atingem é que se irão tornar pessoas felizes. Esta ideia está completamente errada.

Na realidade, o facto de se atingir o objectivo pretendido não passa de um prazer momentâneo (provocando um falso sentimento de felicidade). O sexo, a comida, a vitória do nosso clube, entre outros milhares de situações, apenas nos dão prazer, e de curta duração, diga-se. Quem não se deu conta já de que, quando atingimos aquele que era o nosso grande objectivo,  a alegria e o entusiasmo duram somente uns minutos ou pouquíssimas horas? Os prazeres , ao fim e ao cabo, são também um vício, e a maior parte das pessoas não tem consciência disso. A maioria das pessoas parecem autênticos "agarrados" que precisam de alimentar o vício e, para o fazer, passam por cima de tudo e de todos na ânsia de atingirem os seus minutos de breve prazer e gratificação... O problema é que, após um objectivo atingido, surge outro, e outro, outro e mais outro... O problema não reside no facto de se ter objectivos, o problema centra-se simplesmente no facto das pessoas acreditarem que só depois de os alcançarem é que se tornam felizes.


A esmagadora maioria das pessoas está viciada em ser INFELIZ 
 

Acontece que a felicidade que se obtêm após a concretização de um objectivo (ou sonho) é momentânea, ao passo que a verdadeira felicidade deve ser um estado permanente. Ninguém quer (ou ninguém deveria querer) ser feliz apenas por um minuto. O que toda a gente quer, ou parece querer, é ser feliz todos os dias da sua vida. Logo, se a verdadeira felicidade é algo permanente, tudo aquilo que  nos conceda apenas uma satisfação momentânea, não constitui um caminho para a obtenção da felicidade suprema.


   Quem não se queixou já de alguma coisa e EXAGEROU na sua dramatização?

Vejamos um exemplo...

Cenário: O automóvel sofreu uma avaria.

Consequência: Temos que ir a pé para escola (trabalho, ginásio, compras, whatever...)

O nosso drama: "Como é que é possível viver assim?! Agora avaria-se-me o carro, tenho que gastar um dinheirão no seu arranjo, tenho que ir a pé para o trabalho e está a chover! Sou tão azarado... Ainda ontem bati com o pé na perna da mesa e magoei-me e... Há dois anos cortei-me com a faca de barrar o pão! Sou tão azarado! Nada me corre bem! Estou gordo, sem carro, está a chover, cortei-me no ano passado, magoei o pé ontem..." blá, blá, blá... Que tristeza...

Claro que há quem exagere mais, isto é apenas um exemplo. Mas, objectivamente, o carro simplesmente avariou e apenas temos de ir a pé (ou arranjar um outro meio de transporte) para o trabalho. Qual será a necessidade de estarmos a dramatizar? Reparem também que necessitamos, na maioria das vezes, de dramatizar à frente de outras pessoas, para elas terem pena de nós e nos podermos armar em pobres vítimas...

Existem pessoas que a única coisa que sabem fazer é lamentar-se. Se algum dia se sentissem felizes, tenho a impressão que morreriam, por não estarem habituadas a esse estado de espírito.


Somos corrompidos assim que nos começam a educar


De que nos vale dramatizar? Dramatizando, a situação altera-se? Claro que não. Só que nós adoramos alimentar-nos de infelicidade. É um vício, e sabem porquê?! Porque nos ensinam a ser infelizes logo no momento em que somos crianças. Quem não viu já uma criança a brincar, falando em voz alta, ou fazendo outro tipo de barulho? Qual é a reacção dos pais? Simplesmente lhe ralham e não a deixam ser feliz... Sim, as crianças são felizes até ao momento em que são corrompidas pela sociedade. A criança, desde muito nova, tem que começar a ter responsabilidades e a importar-se com o seu futuro... Que estupidez. A criança deve usufruir da sua infância, brincar muito, porque é a brincar que se aprende, depois, com o tempo e na idade certa, deverão tomar as SUAS decisões. Como por exemplo: escolherem o que querem ser quando forem adultas. Logicamente, seguindo estas "normas" impostas pela sociedade em que vivemos e às quais dificilmente poderemos fugir.


Em criança, ENSINAM-NOS a ser infelizes. 
Transmitem-nos a ideia de que tudo aquilo que nos permite ser feliz... está errado!
Desde o momento em que nos começam a ensinar que para se ser feliz é preciso ter um bom emprego, casa, carro, acordar cedo, dominar as matérias da escola, etc... é precisamente nesse momento que nos começam a corromper, acabando por nos converter nuns infelizes e eternos insatisfeitos. Será que para se ser feliz é preciso possuir todas aquelas coisas?... Porquê?...

Porém, logo de pequenos, ensinam-nos a ser infelizes, ou seja, tudo aquilo que contraria a nossa felicidade é que parece estar certo:

- Estamos todos divertidos a brincar à apanhada... está errado; o certo é ir estudar.

- Estamos, em público, a rir... está errado; o certo é não o fazer, pois poderá parecer mal a alguém.

- Estamos relaxados e despreocupados... está errado; o certo é preocuparmo-nos com alguma coisa (caso contrário, somos uns irresponsáveis).

- Não temos grandes ambições na vida (ou seja, já estamos felizes assim como estamos)... está errado; o correcto é sermos ambiciosos, desejarmos muitas coisas (cuja busca só nos vai tornar infelizes).

Enfim... Quer-me parecer que todos se revêm nestas situações. O certo é que nos corrompem desde muito cedo com a ideia de que, para se ser feliz, é preciso ser ambicioso, desejar ter muita coisa e fazer tudo aquilo que não nos dá o mínimo gozo e que apenas implica muito trabalho e sacrifícios. No fundo, no fundo, dizem-nos que a vida é apenas e somente um martírio e um mar de tristezas.O curioso é que, a guiarmo-nos pelos valores (completamente errados) que nos ensinam, acaba por ser verdade.


Nós é que somos responsáveis pela nossa felicidade
A ideia que quero passar é que a felicidade apenas depende de nós. Por exemplo: se uma mulher é traída pelo marido, a escolha de continuar nessa relação é somente dela, assim como a coragem e inteligência para decidir o que é melhor para si. Convém não esquecer que nós é que somos os responsáveis pela nossa felicidade.

Toda a gente é ambiciosa,  todos querem ser ricos, ter qualquer tipo de poder ou prestigio, etc., porque só assim acham possível ser felizes...Acha-se que só se consegue ser feliz se formos alguém na vida (aos olhos da sociedade, diga-se)... Não passam de uns eternos e tristes insatisfeitos. A felicidade acaba, pois, por ser encarada como sinónimo de obtenção de sucesso na vida. E não se trata nada disso.

Isto fez-me lembrar uma história (real) bastante interessante, passada com Alexandre, o Grande, a qual  partilharei brevemente com vocês... Peço desculpa pela extensão deste post, mas acreditem que ficou muito, mas muito mais por dizer.

O (in)sucesso nos casamentos...

Ainda hoje a minha namorada falava comigo sobre relações e, mais especificamente, sobre a escolha de parceiros.... Dizia-me ela que lhe parecia difícil algum dia vir a escolher um homem "normal" (que fosse mau carácter, infiel, etc.), pois acha que iria detectar facilmente alguém desse tipo. Bom, felizmente ela tem pouca experiência nesse campo, sendo que a única escolha que fez, no que respeita a esse campo muito específico, recaiu sobre mim. (Excelente escolha, fofa! Eu, no teu lugar, faria o mesmo...)

Mas lá lhe expliquei a ela, e explico a quem quiser ler e ouvir, que as relações são como a escolha dos alimentos... Perdemos imenso tempo a escolher aqueles que nos parecem ser os melhores - porque escolhemos os mais frescos e com melhor aparência e, muitas das vezes, temos a certeza que são mesmo os melhores. O pior vem quando chegamos "à prova dos nove", onde, aí sim, vamos "conhecer" verdadeiramente a escolha que efectuámos... Ou seja, é chegada a hora de nos desiludirmos ou não e de arcarmos com as consequências das nossas escolhas - seja isso bom ou mau.  Se tivermos escolhido mal é chegada também a hora de reflectir um pouco e perceber o que correu mal, evitando cair nos mesmos erros...

A única chatice nisto tudo é que as relações, em boa verdade, não são alimentos (óbvio) e, por mais que a pessoa escolha, por mais meticulosa que seja e /ou por mais exigente que seja, pode-se sempre enganar.

Todas as pessoas são "vendedoras", vendem-se a si mesmas, e tal como os reclames que passam na televisão, só dizem o melhor, exagerando nos pontos que se sabe que chamam a atenção dos mais distraídos... Algumas destas pessoas fazem publicidade de si mesmas, mas é-nos possível ver que algo não está bem... Não sabemos o quê... mas desconfiamos logo. Até conseguimos ver aquelas letras pequeníssimas impossíveis de ler, que passam durante a publicidade...

Conheci tanta gente e vi tanta publicidade enganosa que estou em condições de vos dizer que não tenho um único amigo, daqueles verdadeiros em que se possa confiar - não gostei da publicidade. O que tenho, sim, são conhecidos, que eu trato como se dos meus melhores amigos se tratassem, ajudando-os, se for necessário, aconselhando, criticando e apoiando. Até posso afirmar que gosto mais deles(as), mesmo não os considerando amigos fieis, do que eles de mim.

Bem, voltando às relações amorosas... É-nos, portanto, difícil escolher bem, por mais minuciosos que sejamos. Ok, parece-me ser uma óptima dedução. Porém, existe quem escolha mal sem saber e, quando dá conta desse erro, não é capaz de o resolver, nem assumir a culpa dessa mesma escolha... Essas pessoas, após se darem conta da escolha do parceiro(a) errado(a), insistem, por medo, orgulho ou burrice, em levar a situação avante. Este tipo de pessoas faz-me lembrar aquelas que, quando vão ao cinema ver um filme e não estão a gostar, em vez de saírem da sala, não, insistem em ver o filme até ao fim porque acreditam que, apesar de 140 minutos de péssimo filme, haja 1 minuto dele que seja satisfatório...

Eu sou mais adepto daquelas personalidades em que a pessoa, assim que se depara com algo péssimo que percebe que não tem solução, simplesmente assume o erro, azar ou decepção, e abandona a relação, desistindo. Desistir de maus filmes a meio, depois de pagar caro, acaba por não ser tão mau como seria pagar caro e ver um péssimo filme, perdendo tempo sem qualquer benefício...


Ainda a propósito desta questão das relações amorosas, fico espantado com certas notícias e estudos realizados acerca das mesmas... Li algures que, casais que moram juntos antes de se casarem, apresentam maior probabilidade de se divorciarem... Eu gostava era de saber quem é que se deu ao trabalho de fazer um estudo destes e baseado em quê...Qual a base destes estudos, que factores são considerados nos mesmos? Pergunto isto porque considero que basear-se apenas em estatísticas para se chegar a conclusões deste tipo é muito redutor, não espelhando a verdadeira realidade, além de tal tipo de conclusões ser altamente falível e, obviamente, muito pouco credível (pelo menos, para quem se dá ao trabalho de pensar sobre estas coisas), acabando por conduzir muitas pessoas ao engano.

Ora, quer-nos este estudo dar, então, a entender que é melhor não vivermos juntos antes do casamento para que o mesmo dê certo!... Não consigo perceber qualquer lógica ou fundo de razão nesta ideia; a única lógica no meio disto tudo talvez seja a de que o estar com alguém há mais tempo possa aumentar as probabilidades de que a relação acabe (mas, também, convém frisar que não é esse o único motivo pelo qual as relações acabam; o tempo não é o único factor a influir nestas situações)...   Isto é quase como, no final da 2ª guerra mundial, chegar-se à conclusão que o facto de terem existido mais mortes num determinado país do que noutro se deva, por exemplo, ao facto de, no primeiro, existir já a televisão nessa altura (querendo dar-se, assim, a entender que o principal motivo para um maior nº de mortes seria a existência da televisão)...

Basicamente, aquilo que quero explicar com este exemplo estapafúrdio  é que, simplesmente porque foi possível estabelecer uma correlação estatística entre dois factos (o que não é muito difícil, diga-se), tal não quer necessariamente dizer que exista uma relação de causa-efeito entre ambos. Imaginemos que, o que aconteceu de facto, é que o primeiro país esteve em guerra durante mais tempo. Ora, como é óbvio, seria mais provável que houvesse um maior número de mortes num país onde a guerra se tivesse prolongado por 3 anos, do que num outro que a mesma só tivesse atingido por 3 meses...

Como vemos, é fácil chegar a conclusões totalmente isentas de razão quando nos prendemos apenas naquilo que nos interessa, negligenciando a totalidade dos factores envolvidos.Algo tão complexo e subjectivo como as relações humanas, não pode ser explicado por correlações tão simplistas e desconexas...

Aproveitando a analogia estabelecida anteriormente com a situação de guerra, julgo ser possível afirmar que, tal como na guerra existe uma grande possibilidade de se morrer, quer esta dure muito ou pouco tempo, também um casamento é passível de chegar ao fim, tenham as pessoas vivido antes juntas ou não.

Brincadeiras da "mãe natureza"


A mãe natureza é muito brincalhona. Quer-me é parecer que a maioria das suas brincadeiras são de um tremendo mau gosto... Refiro-me à brincadeira dos "pêlos", mais precisamente à brincadeira de alguns homens serem carecas e terem montes de pêlos pelo corpo todo... Qual é o intuito da mãe natureza? Fazer-nos rir? Fazer-nos vomitar? Ou apenas nos quer mostrar quem manda?

Qual o porquê de não termos cabelo (na cabeça) e, em claro exagero e descompensação, termos uma exorbitância deles no resto do corpo?  (não deve haver resposta para esta pergunta.)

E que tal se se cortassem os pêlos do corpo, se juntassem e, a partir deles, se fizesse uma peruca? Seria uma ideia excelente! Também acho bastante injusta a distribuição de beleza protagonizada pela mãe natureza. É impressão minha ou, quando essa beleza recai em alguém, recai quase sempre nas pessoas erradas?

Normalmente, as pessoas bonitas são peneirentas, arrogantes, desprezíveis, não gostam realmente de ninguém a não ser delas próprias... mas o pior, mesmo, é serem bonitas! Irra, isso irrita-me e irrita qualquer feio! Mais nos irrita quando vemos essas pessoas bonitas a receberem rios de dinheiro apenas porque têm uma aparência que respeita os padrões que alguém se lembrou de estabelecer e que são, em abono da verdade, bastante discutíveis.

As pessoas bonitas que conheço (e muitas outras que não conheço) não sabem o que significa "esforço" e "trabalho", nunca fizeram mais esforço do que o de terem que levantar  os 3 ou 4 kg de peso do saco das compras... Esta gente apenas se maquilha (no caso das mulheres) e arranja para irem para o seu local de trabalho, normalmente o paraíso dos ociosos e endinheirados, para serem fotografados... Curiosamente, essas sessões fotográficas não demoram mais de uma hora... Depois, andam aí os feios a trabalhar nas obras ou a calcetar o pavimento a ganharem nada, para saírem de lá mal cheirosos, sem aprenderem nada e sem o reconhecimento de ninguém...

Eu sou um tipo feio (se é que isso interessa para aqui) se comparado com a maioria dos padrões utilizados pelo comum  das pessoas, mas também só achamos que somos feios ou bonitos porque quem estabelece essas tais regras nos quer convencer disso mesmo... E cada vez me convenço mais da minha falta de beleza... Mas, é para isso mesmo que servem os psicólogos e psiquiatras, para nos motivarem... Só temos é que pagar!

Estas coisas são interessantes se as olharmos com "olhos de ver". O Hitler, por exemplo,  queria espalhar uma raça  de tipos, altos, louros e de olhos azuis pelo mundo fora. Se tivermos em conta que Hitler era baixo, gordo e de cabelo castanho, já dá para  atribuirmos uma considerável dose de importância ao seu sonho... Já as pessoas que estabeleceram os tais padrões de beleza,aqueles que estipularam aquelas medidas de largura (de cintura) de pini-pon e de altura de Alemão, não são os porta-estandarte dos seus desígnios...

A verdade é que nós nos guiamos por estas regras escritas e estipuladas por deficientes mentais que não conseguem, nem querem segui-las, e depois andamos insatisfeitos e mal connosco mesmos... Lá está, a mãe natureza é muito de brincadeirinhas de mau gosto, dá cérebros a quem não os sabe utilizar...

A admirável verdade...

in Nova Gente
 Apesar de parecer mentira, até porque hoje é dia 1 de Abril, esta notícia é verdadeira.
 

Uma das ideias principais retiradas desta notícia é que todos aqueles que lavem o carro, sozinhos, são considerados desenrascados e independentes (ler o sublinhado a preto). Após ler a notícia, fiquei feliz por saber que sou independente. Até já me mentalizei que irei começar a lavar o carro mais vezes para que muitas pessoas me vejam. Vou também tirar fotos para depois poderem servir de prova.

A outra ideia principal é que as mulheres jornalistas não deveriam escrever peças jornalísticas sobre outras mulheres. E porquê?! Porque são falsas e mesquinhas... Vêem o bonito no feio e o feio no bonito, vêem a elegância no desmazelo e  a classe na "pinderiquice".

A senhora jornalista diz que a roupa que a senhora escolheu para a tarefa "foi prática e descontraída, mas a sua elegância não a deixou passar despercebida". Acho que a jornalista, com a parte da "elegância", se estava a referir ao carro...

 "Desde que se divorciou de Luís Evaristo, no ano passado, Helga passou a usar um look mais casual (...).  Ai isso é bom? Vestir-se assim como está, parecendo um sem-abrigo?! (sem ofensa para os sem-abrigo).

Vejamos como seria este artigo se tivesse sido escrito por um jornalista homem (escolhi apenas modificar as partes que sublinhei na imagem):

"A mal vestida e desmazelada relações públicas, Helga Barroso, infelizmente, foi vista, por algumas infelizes pessoas, a lavar o seu espectacular carro, numa bomba de abastecimento na zona de Cascais. Ao que parece, Helga não conseguiu descobrir os 200 quilos de maquilhagem que costuma colocar, ou simplesmente não conseguiu acordar às 3 da manhã para se começar a arranjar e pintar, para sair de casa às 9h:30m."

   "A roupa que Helga escolheu para a tarefa foi, nada mais nada menos, do que uma infeliz ocorrência. Helga Barroso mais parecia um feio sapo com uma peruca mal penteada. Deselegante e feia, Helga Barroso lavou o seu espectacular e bonito carro com uma mangueira de pressão manual, e até na realização dessa simples tarefa ela conseguiu meter nojo."

   "Desde que se divorciou de Luís Evaristo, no ano passado (e graças a Deus, para ele), Helga passou a utilizar roupas completamente foleiras que lhe conferem um ar mais nojento, fazendo-a parecer uma espécie de aborto andante."

É admirável como situações destas são consideradas notícia. É admirável (e discutível) que considerem a senhora "bonita". É admirável saber que a senhora sabe trocar uma nota por moedas, para lavar o carro. É admirável que tenha lavado o carro com roupas casuais "que lhe conferem uma aparência mais jovial". É admirável que eu tenha tido o trabalho de comprar a revista, lido o artigo, feito uma digitalização da folha, tenha sublinhado parte do texto e tenha escrito este post. É admirável como a minha paciência e estupidez não têm limites...

Greve, mas só para alguns...

No dia 22/03/2012 foi dia de greve... mas só para alguns, como se pode constatar pela imagem abaixo.


Ao que parece, a greve gerou alguma confusão e polémica. A meu ver, acho que todos se portaram mal nesta manifestação. Por um lado, a população manifestou-se de uma forma errada... Era completamente escusado vestirem-se de polícias, empunhado cacetetes, que por acaso pareciam réplicas fiéis, utilizados pelas verdadeiras forças de intervenção. Por outro, os polícias estiveram muito mal ao terem-se feito passar por manifestantes (civís) e terem surpreendido os civís disfarçados de polícias (por esta não contavam)...

Da junção de tudo isto, resultaram as imagens de violência que este post relata.

Chamo a atenção para o civíl, disfarçado de polícia, a agredir a senhora agente, disfarçada de senhora... Isto mais parece um filme saído da grandiosa mente desse grande mestre do suspense, o Sr. Alfred Hitchcock.

Claro que tudo isto seria pior se os civís, que estavam disfarçados de polícias, fossem mesmo polícias de verdade, a bater em civís de verdade... Mas não, o meu país não descia assim tão baixo. Só me faltava dizerem que os políticos também estão envoltos em  escândalos sexuais, de suborno e de outros esquemas... Nada disso! Este país é um paraíso e só  acolhe ladrões meninos de coro e outros criminosos outras pessoas de bem.
  (Afinal, e ao que parece, os polícias são mesmo polícias (ouvi no telejornal). Ora, bolas!)

Claro que existem aqui alguns factos interessantes e que me deixam um tanto ou quanto optimista. Apelo, desde já, para a vossa compreensão.

Pelo que vi, os polícias estão empenhados em começar a tratar assim todos os assassinos, pedófilos e violadores que assolam este país... mas, para isso, eles precisam de treinar... Ora, qual o melhor e o mais inocente saco de pancada para se poder afinar a pontaria?! A resposta é óbvia. 

O que aconteceu a estas senhoras não foi, nada mais nada menos, do que as consequências das inúmeras medidas de austeridade impostas pelos nossos políticos a todos nós, incluindo a polícia... A polícia sem dinheiro não pode treinar, tendo de utilizar alteres, bonecos insufláveis, pinipons, entre outros... Portanto, estas senhoras acabaram por se tornar o primeiro equipamento de treino humano do nosso país! Cá está Portugal, sempre na vanguarda do modernismo.

Estou entusiasmado! Depois deste treino, a polícia vai começar a prender todos os mal feitores! Ip, ip, Urra!!

O que se pode constatar, igualmente, observando estas fotos, e que é positivo, é a "vontade" com que os senhores agentes da autoridade afinfam nas senhoras... mesmo como quem diz "Nestas posso bater à vontade que ninguém me culpa de violência doméstica!".

Quem também ficou muito contente com o resultado desta acção policial foram os fabricantes dos "cacetetes", que viram a sua durabilidade ser posta à prova, assim como a sua resistência.

Não podemos ser tão pessimistas...
 

Homem processa amante da sua mulher

Aqui está mais uma prova do que venho a afirmar há muitos e muitos anos: o homem é inferior à mulher. Ponto! E não há discussão!

Se dúvidas existissem, esta história elucida-nos (vos).


"Um membro das forças armadas italianas, cujo nome o tribunal preferiu não divulgar, resolveu contratar um detective privado por desconfiar que a mulher mantinha uma relação extraconjugal.

Após ter acesso ao relatório que o detective lhe apresentou, o italiano descobriu que a esposa de 38 anos frequentava vários hotéis com um corretor de seguros de 39 anos.

Revoltado com a confirmação da traição, ao fim de 18 anos de casamento, o marido resolveu processar o amante da mulher, pedindo-lhe uma indemnização de 600 mil euros. Para o efeito, o homem argumenta danos causados contra si e contra os dois filhos do casal, de 10 e 14 anos.

De acordo com os documentos judiciais apresentados em Spoleto, na província de Perugia, o marido enganado alega que foram as perseguições constantes de que a mulher foi alvo por
parte do corretor de seguros que a levaram a cometer o adultério.
(In Correio da Manhã)


Por vezes envergonho-me de ser homem, é verdade. Este Pateta (chamo-lhe Pateta porque não existe no vocabulário uma ofensa que encaixe no seu grau de estupidez) descobre que é enganado pela mulher , e o que faz?! (Oh, my God!) Processa... o amante!

É ridículo ou não é?  

Então o tipo acha que a culpa é do amante?! Mas a mulher é que andou a cavalgar o outro garanhão, à grande e à francesa, e porque quis (ao que consta). Infelizmente, conheço imensos casos de homens que são traídos, mantêm as relações e vão tirar de esforço com o outro tipo, que simplesmente aproveitou a "aberta"... 

Homens, pensem lá bem... Todos temos consciência que a maioria de nós (97%) não resiste a um rabo de saias, mesmo que seja um todo deslavado, horrível e que cheire a cocó... Obviamente que, se um gajo anda com o cio 24h sobre 24h e recebe autorização para "entrar" e saciar a sua gula... Um homem não falha... Isto é a mesma coisa do que perguntarmos a um sem-abrigo se quer ter uma casa...

Agora, uma atitude à homem, que este Pateta deveria ter tido, seria acabar ali o casamento e pedir uma indemnização à mulher... Mas pensar assim de forma tão evoluída é demais para estes homens, que só vêem notas e gajas nuas todo o dia e nem se lembram do aniversário das suas mulheres e, por vezes, dos filhos.

 Volto a fazer uma pergunta retórica: se ao ladrão, que passa o tempo a assaltar,  lhe for dado dinheiro, acham que ele não aceitaria?

O que é engraçado é que a esmagadora maioria dos homens trai ou tenta trair a sua esposa (namorada), mas quando lhe passam a pila... perna, já não gostam nem aceitam... 

Sempre me dei com homens que traíam (e traem) , gabavam-se disso, e quando lhes acontecia a eles levarem um par de bonitos enfeites na cabecinha, choravam, esperneavam e espumavam-se de raiva e ódio pelos outros.

O homem é um caçador que, quando a caça lhe corre bem, exibe os troféus a toda a gente, todo inchado. Quando lhe corre mal, fica chocado por ver a sua reles e desprezível importância, e mais parece um menino mijão, que chora só porque lhe roubaram o gelado...  

 O único facto triste que retiro desta história é que as mulheres estão cada vez mais parecidas aos homens. Isto para mim soa-me tudo a contradição, porque sempre cresci a ouvi-las queixar-se de serem traídas "isso não está certo" "nunca faria isso" "os homens são todos iguais"... Agora, o que vejo é as pessoas que se queixavam dessas injustiças a pagarem com a mesma moeda, ou seja, são todos iguais.

Outro facto que se retira de tudo isto, também, é que o amor já não tem importância nos dias de hoje. É mais importante a satisfação fisiológica do que a mental, é mais importante ostentar prémios e todo o tipo de troféus aos outros, do que demonstrar com a clareza de um pensamento a racionalidade que possuímos.  

Abençoada namorada que ainda tenho...